Soja tem altas de dois dígitos nesta 2ª feira em Chicago com correção e menos chuvas nos EUA
Voltar para o blog

Soja tem altas de dois dígitos nesta 2ª feira em Chicago com correção e menos chuvas nos EUA

A semana começa positiva para o mercado futuro norte-americano da soja

Na sessão desta segunda-feira (11), os futuros da oleaginosa subiam, por volta das 7h40 (horário de Brasília), de 12 a 12,50 pontos na Bolsa de Chicago, com o contrato agosto/16 valendo US$ 10,95 e o novembro/16, US$ 10,70 por bushel.
O mercado dá continuidade às boas altas registradas no pregão da última sexta-feira(8), além de iniciar a semana diante de previsões climáticas para os EUA que indicam, para os próximos dias, menos chuvas para o Corn Belt. "A força técnica do fechamento de sexta-feira mais condições mais secas que as previstas para grande parte do Meio-Oeste deve impulsionar uma correção já no início da semana", explica Andrea Cordeiro, analista de mercado da Labhoro Corretora.
Além disso, o final de semana foi de chuvas pontuais, com ocorrências na Dakota do Norte, Minnesota e leste de Iowa, e temperaturas que variavam de normais à acima da média em algumas regiões. Já para o intervalo dos próximos 5 a 7 dias, as previsões mostram que as temperatuas seguem acima do normal para o período, o que poderia baixar os níveis de umidade do solo.
Para mais adiante, no início da semana que vem, o indicado é a chegada de um sistema de alta pressão na região do Delta, ainda segundo informações apuradas pela Labhoro, o qual poderia trazer um tempo mais seco e temperaturas variando entre 33 e 38 graus. "A chave para o tamanho da oscilação será observar quais serão exatamente os estados impactados pelo bolsão de seca", afirma Andrea.
Além disso, ainda nesta segunda-feira, chegam novos e importantes números do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) em três reportes. O primeiro dele é o de embarques semanais de grãos, o segundo - às 13h (Brasília) - mensal de oferta e demanda - e o último, às 17h, após o fechamento do pregão, semanal de acompanhamento de safras, com a atualização das condições das lavouras da temporada 2016/17.
E apesar de todos esses fundamentos no radar dos traders, eles ainda dividem suas atenções com o andamento do mercado financeiro internacional, ainda com alguma atenção aos efeitos do Brexit nas principais economias. O petróleo, porém, começa a semana em campo negativo tanto em Londres como em Nova York.
Veja como fechou o mercado na última semana:
Soja: Mercados no Brasil e em Chicago têm semana nervosa e comercialização interna travada
A semana foi intensa para o mercado da soja na Bolsa de Chicago e todas as últimas sessões registraram oscilações bastante fortes, sendo de altas ou baixas. Ao mesmo tempo, o mercado brasileiro, sentiu a movimentação, mas o impacto sobre a formação dos preços foi mais suave nestes últimos dias e a volatilidade maior para as cotações formadas internamente veio do dólar, como explicam analistas e consultores.
O cenário, portanto, fez com que a comercialização da soja nacional registrasse apenas negócios pontuais e, segundo Vlamir Brandalizze, consultor de mercado da Brandalizze Consulting, feitos somente para cumprir embarques programados, deixando de lados fechamentos novos. E esse padrão é ainda mais claro para os negócios com a soja da temporada 2016/17. "Os melhores momentos do ano para a safra nova podem já ter passado, quando em junho alcançamos os R$ 96,00 por saca nos portos", diz.
Para o volume remanescente da safra 2015/16, Brandalizze já não vê mais riscos ou problemas para os produtores brasileiros, afinal, já há mais de 80% da produção comercializada, os produtores estão bem capitalizados e podem aguardar agora melhores momentos. A tendência, como explica o consultor, é de um descolamento ainda maior dos preços internos do andamento de Chicago, respeitando a relação apertada entre os estoques e a demanda no Brasil, especialmente onde as atividades industriais são mais fortes. Com isso, o interior do país poderia, portanto, pagar melhor do que a exportação. "A demanda por óleo e por farelo vão continuar e dando suporte aos preços", diz.
Nesse quadro, no interior do Paraná, durante a semana, a soja disponível chegou a registrar negócios em R$ 88,00 por saca, enquanto as referências nos principais portos de exportação oscilaram perto dos R$ 90,00, testando até mesmo valores ligeiramente mais baixos do que isso.
Nas principais praças de comercialização pesquisadas pelo Notícias Agrícolas, os preços cederam de 1,28% a 6,10%, com perdas mais intensas no estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul, como indica o gráfico a seguir. Nos portos, as cotações da soja recuaram pouco mais de 4%. O produto disponível foi a R$ 89,00 em Paranaguá e R$ 86,00 por saca em Rio Grande, enquanto o da nova safra fechou com, respectivamente, R$ 82,00 e R$ 83,50.
Mercado Internacional
E o nervosismo todo que foi registrado na Bolsa de Chicago se deu devido a uma conjunção de fatores negativos. Entretanto, a semana que começou mais tarde para o mercado da soja devido ao feriado da segunda-feira (4) e registrou baixas de quase 70 pontos nos momentos mais tensos, terminou a sessão desta sexta-feira (8) testando uma recuperação e subiu mais de 3%. As posições mais negociadas terminaram o dia com altas de mais de 30 pontos, levando os primeiros contratos de volta à casa dos US$ 10,80 por bushel.
O movimento, segundo explicaram analistas, é mais uma correção técnica, com a ajuda dos números das vendas semanais de soja dos EUA, reportados pelo USDA em seu boletim semanal nesta sexta, que vieram fortes, apesar de 'apenas' dentro das expectativas do mercado. Entre safras velha e nova, o total foi de 1,223 milhão de toneladas, sendo 637,3 mil toneladas da temporada 2015/16 - 14% a mais do que na semana anterior - e 585,7 mil da 2016/17. As expectativas para a oleaginosa variavam de 900 mil a 1,3 milhão de toneladas. Com o volume anunciado nesta sexta, as vendas americanas da safra 2015/16 já superam em 2% as da temporada anterior.
Já as vendas semanais de farelo de soja ficaram aquém do esperado. Enquanto o mercad apostava em algo entre 100 mil e 300 mil toneladas, as operações foram com 89,3 mil toneladas, sendo 77,4 mil da safra velha e mais 6,5 mil da safra nova. O USDA informou ainda que os EUA venderam também 58,1 mil toneladas de óleo de soja, volume dentro das expectativas dos traders, que eram de 20 mil a 65 mil toneladas. Do total, 18,1 mil da safra 2015/16 e 40 mil da 2016/17.
No balanço semanal, porém, as principais posições perderam de 5,21% a 7,01%, com a baixa mais forte sendo registrada no contrato novembro/16, que é referência para a nova safra dos Estados Unidos e caiu de US$ 11,37 para US$ 10,57 por bushel.
Clima nos EUA - Durante toda a semana as previsões climáticas para o Meio-Oeste norte-americano indicaram boas condições para o desenvolvimento da nova safra dos Estados Unidos e esse foi um dos mais severos fatores de pressão sobre as cotações em Chicago. Embora as temperaturas estejam elevadas no Corn Belt, as chuvas chegam em bons volumes e bem distribuídas. Dessa forma, há 70% das lavouras de soja no país em boas ou excelentes condições, de acordo com os últimos números do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) e, nem mesmo uma baixa de dois pontos percentuais neste índice, que já vinha sendo esperada pelo mercado, foi suficiente para trazer algum estímulo às cotações.
"Não temos nenhuma novidade importante no curto prazo, e precisaríamos ver alguma notícia de problemas com o clima nos EUA para os preços se recuperarem, enquanto isso, eles continuarão pressionados. Assim, os US$ 11,00 ainda são uma resistência difícil de ser retomada e rompida nesse momento", explica Vlamir Brandalizze. O consultor diz ainda que, outro bom sinal do bom momento da safra nova dos EUA é que o florescimento está adiantado este ano e, por isso, as previsões de clima devem continuar a ser acompanhadas muito de perto.
Mercado Financeiro - No mercado financeiro, a semana foi de uma aversão ao risco bastante presente, motivada ainda, e em partes, pelo Brexit - a saída do Reino Unido da União Europeia. O movimento ainda causa incertezas, estimulando uma saída dos fundos de investimentos, os quais estavam muito comprados nas commodities, a liquidarem boa parte de suas posições.
Segundo explica o diretor da Cerealpar e e Consultor do Kordin Grain Terminal, de Malta, na Europa, essa é "uma postura de fuga ao risco caso haja alguma complicação na economia mundial. Os fundos saem das commodities para socorrer suas perdas em outros ativos ou para se proteger com dólar, ouro, prata, etc".
Além disso, como explica o consultor da Terra Agronegócios, Ênio Fernandes, esse é um momento de excesso de liquidez no mundo, com um elevado volume de dinheiro circulando, migrando de um ativo para o outro. "Com esse excesso de liquidez no mundo, não há onde ganhar dinheiro agora, porque as taxas de juros estão muito baixas. Os gestores de fundos, que são remunerados por performance, procuram onde ganhar dinheiro e qualquer oportunidade no mundo onde há para ter alta valorização eles investem dinheiro. Lógico que as agrícolas serão mais voláteis do que as metálicas, porque as metálicas precisam de um crescimento mais constante do mundo para serem mais voláteis. Então, o produtor brasileiro de soja, milho, cana-de-açúcar, tem que se preparar para volatilidade, que será o nome do jogo enquanto as taxas de juros no mundo continuarem baixas", diz.
China - A semana foi ainda mais agitada com os efeitos pontuais causados pelo impacto da situação das inundações que castigam a metade sul da China e são as piores desde 1998. Mais de 200 pessoas já morreram em decorrência das cheias, além de milhares de animais em fazendas de peixes a suínos e gado. Muitos hectares de diversas culturas também foram perdidos.
Segundo explica o consultor da Brandalizze Consulting, o primeiro impacto mais forte sobre o mercado já passou, após o pânico e o efeito manada das vendas de posições na soja em grão e no farelo na última quinta-feira (7). "O impacto foi mais psicológico, e já perde parte da força. Há comentários de que cerca de quatro milhões de suínos teriam morrido com essas inundações, isso, para a China, é apenas 1% de seu plantel, que é o maior do mundo", diz.
Na sequência, ainda de acordo com o consultor, a situação poderia se inverter e até mesmo trazer algum suporte aos preços, uma vez que os preços do animais já começaram a subir - bem como o da carne suína - motivando, mais adiante, uma reposição dessas perdas, o que poderia voltar a demandar mais alimentação animal.

CLIQUE AQUI  e confira mais notícias em nosso site:

Visite nosso CANAL NO YOUTUBE

Outros posts

  1. Confira em nosso canal algumas áreas rurais em vídeo.

    Confira em nosso canal algumas áreas rurais em vídeo.

    A Imobiliária Almeida Imóveis vem através Blog apresentar e seus clientes e interessados algumas filmagens de áreas rurais disponíveis tanto para venda quanto para arrendamento, disponibilizamos de di...

  2. Conab abre chamada pública para compra de sementes de arroz orgânico no Rio Grande do Sul

    Conab abre chamada pública para compra de sementes de arroz orgânico no Rio Grande do Sul

    Inscrições para do edital da 1ª Chamada Pública para aquisição do produto estão abertas até às 17h do dia 22 de julhoOs agricultores familiares interessados em vender sementes de arroz orgânico para o...

  3. Arroz brasileiro: exportação é o foco das atividades do projeto Brazilian Rice

    Arroz brasileiro: exportação é o foco das atividades do projeto Brazilian Rice

    Há em curso uma importante agenda estratégica conduzida pelo projeto Brazilian Rice, uma iniciativa da Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz) e Agência Brasileira de Promoção de Export...

Almeida Imóveis

Matriz
55 3025-2727
Plantão
55 99964-5351
Plantão
55 99686-7974

Almeida Imóveis

Plantão
55 99964-5351
Plantão
55 99686-7974